Autores da página

  • Cristian Dequi
    Maio 14, 2013

colunas‎ > ‎

Ditos Gauchescos



A partir de hoje (14 de maio de 2013), em parceria com a comunidade Koisas de Gaúcho, o Jornal do e-Leitor explicará alguns Ditos Gaúchos.


"Mais amassado que dinheiro de bêbado":

Pode ser empregado quando vemos, por exemplo, uma pessoa com roupa muito amarrotada, sem passar. Esse dito surgiu da observação: bêbado pega o dinheiro para pagar sua "canha" (cachaça ou outra bebida alcoólica) e enfia o troco no bolso da calça ou de casaco (quando a coordenação motora o permite acertar algum bolso), amassando a cédula. Ao continuar bebendo, o bebum pega o dinheiro amassado do bolso... Vão-se os trocos. O bêbado perde a noção de bom senso, o equilíbrio e tudo mais. Tem vez que o bêbado perde dinheiro, carteira, até o rumo de casa; há quem diga que ele perde mais que isso, mas não entrarei nesses detalhes sórdidos. Recomendo, contudo, que não exagerem na ingestão de álcool, já que nem todos são abstêmios.

OBSERVAÇÃO:

Amassar, riscar, rasgar, cédulas de moeda (Real, ou de outra, seja de que país for) é DESRESPEITO E CRIME!

Cristian Rogers S. D. - Editor


"Mais engraxado que telefone de açougueiro"

Graxa é a gordura da carne. O Açougueiro, por cortar carne durante o dia todo, e por não usar luvas, fica com a mão engraxada.

Imaginemos que um estabelecimento comercial que vende carne, açougue, tenha um telefone para atender a seus clientes e fornecedores. Alguém liga. O açougueiro atende ao telefonema; o que acontece?

O telefone fica engraxado, lambuzado, assim como fica o teclado do meu note após eu comer galinha com polenta, kkkk...

Eis o porquê do dito gauchesco "Mais engraxado que telefone de açougueiro".

Cristian Rogers S. D. - Editor




"Mais desocupado que barbeiro de índio"

Índio anda com pouca roupa, com exceção dos índios norte-americanos. Acostumados com as intempéries - frio, calor, do dia e da noite -, o índio não tem sequer pêlo sobre a pele; e seu cabelo é liso.

Ao dizer "Mais desocupado que barbeiro de índio", faz-se menção a um serviço desnecessário, já que os índios não têm pêlos nas pernas, nos braços, nem no rosto.

Dependessem dos índios, os barbeiros estariam "mal das pernas" (ao menos nos bolsos das calças).

Cristian Rogers S. D.


"Mais por fora que braço de caminhoneiro"

Ainda que não seja seguro, muito motorista após longas horas ao volante apoia o braço na porta, pela abertura da janela, vidro...

Estar por fora, na gíria, significa não estar a par, por dentro, ignorar algum assunto. E é esse o significado de "Mais por fora que braço de caminhoneiro".

Mais explicadinho que isso... Só na Praça é Nossa (SBT).

Cristian Rogers S. D.



"Mais afiado que navalha de Barbeiro"

Se "Mais por fora que braço de caminhoneiro" tem o sentido de quem ignora, desconhece, algum fato, evento ou conteúdo; por outro lado, "Mais afiado que navalha de Barbeiro" indica justamente quem está por dentro de algum assunto ou que tem muita habilidade em determinada área.

Charles Chaplin foi um dos artistas mais completos do MUNDO! Não precisou de nada mais que o preto e branco para que o mundo o aclamasse.

Ninguém emudece ante um talento, não é verdade?

Chaplin... Pessoas como ele fazem muita falta ao mundo!

Cristian Rogers S. D.


"Mais firme que prego em polenta"

Quem já comeu polenta, e sabe como é sua consistência entenderá que prego algum ficaria firme, se cravado nela. Precisamos de bases sólidas, firmes em nossas vidas, também para nossas ideias e projetos de vida. Mas comer polenta enche a barriga e é muito, mas muito mesmo, gostoso! 

Cristian Rogers S. D.


"Mais feio que briga no escuro"

Se briga já é algo feio, intragável, indesejável, que dirá com foice!
Agora façamos um exercício mental. Imaginemos uma briga de foice, e no escuro. Não enxergamos no escuro. Mas também não enxergamos muitas vezes com os olhos arregalados e com luz do dia (ou artificial). Brigar é o último recurso a que devemos recorrer: o indicado é tentarmos resolver amigavelmente e com civilidade nossas pendengas, rixas, entreveros.

Cristian Rogers S. D.


Comments